A integração do sistema é essencial tanto para a comunicação b2b (business-to-business) quanto para a cooperação interna dentro de uma empresa. A integração de sistemas é algo que fazemos diariamente.

Por isso, explicaremos o que é integração de sistemas e quais métodos têm sido tradicionalmente usados  na implementação para ajudar as empresas a desenvolver e implantar integrações entre seus sistemas. Confira.

Mas o que é integração de sistema?

Em termos muito amplos, a integração de sistemas é o processo de conectar diferentes sistemas e subsistemas (componentes) para permitir que os serviços de dados e informações sejam funcionais em conjunto.

A principal razão para as organizações usarem a integração de sistemas é a necessidade de melhorar a produtividade e a qualidade de suas operações. O objetivo principal é fazer com que os diversos sistemas de TI  “falem entre si” por meio da integração, para acelerar os fluxos de informações e reduzir os custos operacionais.

Essa integração não é usada apenas para conectar os sistemas internos, mas também os terceiros com os quais a organização opera.

Conheça alguns métodos de integração de sistemas

Os métodos típicos de integração de sistemas são divididos em diferentes categorias, entre elas estão:

Integração ponto a ponto

Também chamada de conexão ponto a ponto, ela não é uma integração de sistema como tal, pois há apenas dois componentes do sistema envolvidos.

No entanto, embora não tenha a complexidade da integração “verdadeira”, ainda conecta um sistema a outro para que funcionem juntos. Normalmente, essa integração ponto a ponto lida com apenas uma função e não envolve nenhuma lógica de negócios complexa.

Muitos aplicativos baseados em nuvem oferecem esses tipos de integrações ponto a ponto como módulos de integração produtizados e prontos para uso nos sistemas de TI mais comuns.

Integração vertical

No método de integração vertical, os componentes de sistemas e subsistemas são integrados criando “silos” funcionais, começando com a função básica de baixo para cima.

Este é normalmente um método relativamente simples e fácil de executar que envolve apenas um número limitado de sistemas (mais de dois), mas, por outro lado, este método de integração é rígido e mais difícil de gerenciar a longo prazo, pois qualquer nova funcionalidade exigirá seu próprio “silo” funcional.

Ainda assim, esse método pode ser usado de forma eficaz para criar integrações simples, que só precisam abordar uma única função.

Integração em estrela

Integração em estrela significa que um sistema e cada subsistema está conectado com outros subsistemas usando conexões ponto a ponto.

Isso permite mais funcionalidade, mas à medida que o número de sistemas integrados aumenta, o número de integrações também aumenta significativamente, e o gerenciamento das integrações se torna muito exigente.

Integração horizontal

Na integração horizontal, um subsistema separado é usado como uma camada de interface comum entre todos os subsistemas. Muitas vezes, essa camada é chamada de Enterprise Service Bus (ESB).

Este método permite que cada subsistema tenha apenas uma única interface para se comunicar com todos os outros subsistemas conectados à camada de interface comum (ou seja, com dez sistemas, existem apenas dez conexões).

O benefício desse método também é que cada subsistema pode ser alterado ou até mesmo substituído sem ter que refazer as interfaces de quaisquer outros sistemas.

Integração de formato de dados comum

A integração de diferentes sistemas de TI entre si, geralmente exige que os dados provenientes de um sistema precisem ser transformados em um formato de dados diferente, usado pelo sistema receptor.

Assim como no Star Integration, se cada transformação precisa ser feita sistema a sistema, o número de transformações de dados aumenta significativamente e se torna uma tarefa de alta manutenção.

Para superar esse problema, a abordagem de formato de dados comum permite que cada sistema faça apenas uma conversão de dados de seu formato nativo para o comum (e vice-versa).

Dessa forma, o número de transformações de dados necessárias é tão alto quanto o número de subsistemas.

E se você tem dúvida sobre mais algum outro tema, deixe nos comentários, estamos prontos para te ajudar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.